quinta-feira, 2 de julho de 2009

Assim é a vida...


Bela como a poesia,
Delicada como uma flor,
Perigosa como um abismo,
Livre como um condor,
Simples como uma galinha,
Complexa como um ovo,
Sutil como uma borboleta,
Espantosa como um polvo,
Inerte como um poste,
Saborosa como uma maçã,
Deliciosa como um brigadeiro,
Saltitante como uma rã,
Inóspita como o deserto,
Aconchegante como um ninho,
Longe e ao mesmo tempo perto,
Do fim, do caminho,
Tão diferente do início,
Inópia e com fome,
Tentadora como o precipício,
Difícil como a mente do homem,
Cheirosa como um perfume,
Fétida como um pântano,
Acesa como um vaga-lume,
Feia como um dia nublado,
Intrigante como um espelho,
Apagada como um farol queimado,
Rápida como um coelho,
Incessante como a saudade,
Despetalada como a grande-flor cidade,
Espelndorosa como a liberdade,
Solitária como uma prisão,
Complicada como dizer não,
Exuberante como um pavão,
Devastadora como um canhão,
Confortante como um caixão,
Impiedosa como o tempo,
Ardente como uma paixão,
É como uma folha ao vento
Arrastada sem direção,
Duvidosa como dois caminhos,
Amedrontadora como o escuro,
Lírica como um passarinho,
Intransponível como um grandioso muro,
Corrompida como o dinheiro,
Pura como uma criança,
Reluzente como uma estrela,
Eterna como a esperança,
Efêmera como a chama,
Bramada como o grito,
Calada como o silencio,
Mudo, aflito,
Ruidosa como um apito,
Imprudente como a guerra,
Problemática como a poluição,
Grandiosa como a terra,
Misteriosa como o mar,
Encantadora como a lua,
Sedutora como a carne
Nua, crua,
Algumas vezes inexplicável,
Outras, sem nexo,
Sensível como um abraço,
Prazerosa como o sexo,
Traiçoeira como um punhal,
Sorrateira como uma serpente,
Homicida sentimental,
Adolescente,
Simbólica como um sorriso,
Conselheira como um amigo,
Preciosa como a amizade,
Radiante como o brilho,
Límpida como a água,
Cega como o ódio,
Triste como a mágoa,
Almejada como o pódio,
Precípua como o alimento
Que nos garante o sustento,
É como o medo que apavora
E faz da vida um tormento,
Agitada como uma balada,
Trágica como o sofrimento,
Impensada como uma trepada
Rápida, sem sentimento,
Opressora como uma cela,
Perversa como a corrente,
Magnífica como a natureza,
Devorada pelas cidades vazias
Que corroem os sonhos,
A vida é grotesca como o cemitério,
É predestinada como o túmulo,
Imperceptível como as almas
Que vagam pelo mundo,
Salgada como uma lágrima,
Irresponsável como um cão vagabundo,
Subitânea como a sorte,
Amarga como a dor,
Inexorável como a morte,
Sublime como o amor.

15 comentários:

  1. Um jogo com as palavras que expressa vida em cada entrelinha.

    Sim...assim é a vida!

    Um abraço carinhoso

    ResponderExcluir
  2. Fico até sem palavras ao te ler...

    ResponderExcluir
  3. Uau! Eu nunca havia visto tanto adjetivo junto atribuído à vida como eu vi agora aqui no seu blog.

    Parabéns! Beijos.

    ResponderExcluir
  4. O eterno jogo das palavra... gostei de passar por aqui.
    bjs
    Chris

    ResponderExcluir
  5. Nossa! Observação minuciosa da vida!
    Fantástico! Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Delicioso jogo de palavras...
    Amei...
    belo espaço

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Uau, vc realmente sabe jogar com as palavras hem...amei este poema...e assim acabo de me tornar a mais nova seguidora dele, e seja bem vindo ao 100 Mistérios espero te ver tb no Simplismente Eu...beijos e ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. NOSSA RO, QUE LINNNNNNNNNNNNNNNNNDO!
    ARREPIEI AQUI.
    PARABÉNS, ALIAS, PELOS DOIS BLOGS!
    JA SOU SUA FÃ!
    BEIJINHOS

    ResponderExcluir
  9. http://taniart.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Oi Roberto,

    Tudo bom? Obrigada pela visita ao blog, viu? Fico feliz em saber que vc gostou da gente. Apareça sempre. E aproveite a Bahia por mim!!! Terra boa, essa, adoro.

    Beijos,

    Bela - A Divorciada

    ResponderExcluir
  11. Roberto,
    Parabéns que lindo.
    Tenho novidades, apareça lá!
    Um abraço,
    Rico E

    ResponderExcluir
  12. Nada mais tenho a acrescentar!


    Gosto de o ler...

    Beijo intemporal *

    ResponderExcluir
  13. Moral da história: complicada esta vida que levamos...

    Hua, kkk, ha, ha, brincadeira com um fundo de verdade.

    Fique com Deus, menino Roberto.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  14. Tudo isso??
    Viver é ainda mais difícil do que eu pensava.

    Abraço.

    ResponderExcluir

Obrigado pela visita. Espero que tenha tido uma boa leitura. Volte sempre... abraços!